sexta-feira, 25 de setembro de 2020

Construir o Plano de Atividades em Tempo de Pandemia

Construir o Plano de Atividades em Tempo de Pandemia

por: Carlos Alberto Lopes Pereira
artigo publicado a 25 de setembro 2020 no jornal diário "Correio do Minho"


Na semana passada referi o desafio resultante da alteração de parte das equipas de 4 Núcleos, da Junta Regional e do Conselho Fiscal e Jurisdicional Regional, neste último órgão foi uma recondução da mesma equipa, na Região de Braga, por força do calendário eleitoral.

Hoje, queria dar-vos nota de um outro desafio que, nos meses de setembro e outubro, todos os agrupamentos enfrentam: a construção do plano de atividades e respetivo orçamento, para o ano escutista de 2020/2021.

Com o ano escutista que terminou percebemos que, a final, os fatores externos, em determinadas circunstâncias, são demasiado poderosos por forma a destruírem o planeamento, cuidadosamente elaborado. A pandemia obrigou-nos a congelar, para ser simpático, todos os planos que tínhamos, praticamente em 2020. Alguns de nós, percebemos então a verdadeira dimensão de um pensamento de Albert Einstein: «a palavra ''progresso'' não terá qualquer sentido enquanto houver crianças infelizes» e percebemos que, no Escutismo Católico, muito mais importante que o caminho – o “progresso” é a missão – a “felicidade de crianças e jovens”.

O plano de atividades para o novo ano escutista será indelevelmente marcado pela pandemia, e elaborado sob o seu efeito devastador, sem sabermos qual será a sua evolução, na esperança que a “milagrosa” vacina seja aprovada pelas autoridades competentes, colocada no mercado e distribuída universalmente. É, por assim dizer, um salto “sem paraquedas” e, também nós, ficamos inquietos e, quando não, paralisados.

Como hoje estou grato a Blaise Pascal pelas suas palavras que, quando as li pela primeira vez, me pareceram muito duras, para ser educado, mas que hoje compreendo o seu verdadeiro alcance: «Cristo morreu de braços abertos, para que nós não vivamos de braços cruzados».

O CNE adotou, no plano trienal de atividades, o jovem Carlo Acutis como figura e exemplo de vida de 2020/2021. Nasceu em Londres em 1991 e viveu em Milão, falecendo em 2006, em Monza, vítima de uma leucemia fulminante. Carlo foi declarado venerável da igreja, no verão de 2018.

Na sua curta vida, de 15 anos, demonstrou uma grande abertura aos outros, sobretudo aos mais necessitados, sem nenhuma distinção de raça ou religião e sempre foi um jovem normal, com hábitos semelhantes aos dos seus pares, gostava de estudar, jogar futebol, estar com os outros e das tecnologias da informação (cfr. https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2019-08/veneravel-carlo-acutis.html). A Carlo Acutis, estão associadas: o “computador” - enquanto símbolo, a palavra-chave - “ser” e o pensamento – “preferir o original à fotocópia”.

Por sua vez, a arquidiocese de Braga definiu o plano pastoral para o triénio 2020/2023, sob o lema Uma Igreja Sinodal e Samaritana, sendo, neste primeiro ano marcado pelo lema - Onde há amor há um olhar e pela frase extraída do Evangelho de Lucas (10, 33) - «Chegou ao pé dele e vendo-o, encheu-se de compaixão».

Assim sendo, este ano teremos de nos focar, de um modo muito especial, na visão que temos da nossa ação de educadores e na missão do escutismo, na igreja e na sociedade, nos tempos pandémicos instáveis que vivemos.

As atividades são só os instrumentos previsionais que nos propomos realizar e, como tal, não são a essência dos planos. A essência é o crescimento em idade, sabedoria e graça das crianças e jovens, os destinatários centrais da nossa ação de educadores.

Neste sentido, as atividades a incluir no plano deverão ter uma geometria variável para se adequarem à realidade temporal, em constante mutação, evitando, deste modo, a desilusão resultante da sua não realização. Recordemos as palavras de John P. Kotter (Gerir a Mudança) «nas transformações falhadas, frequentemente encontra-se uma abundância de planos, diretivas e programas, mas não se encontra uma visão».

Nas visões dos planos do CNE e da arquidiocese de Braga temos presente a centralidade do outro para quem olhamos com amor, que ajudamos desinteressadamente e com quem compartilhamos. Ao vertê-las para os nossos planos estamos a valorizar o “outro”, levando-o à “felicidade” e contribuindo para “um mundo melhor”. Nos momentos de maiores dificuldades tenhamos presentes as palavras de Alexandre Herculano: «É erro vulgar confundir o desejar com o querer. O desejo mede os obstáculos; a vontade vence-os».


Outros artigos neste LINK


segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Pedido de Ajuda - Almas Solidárias


Com o covid-19 chegaram: o afastamento social, o uso obrigatório de máscara, as dificuldades económicas e de um modo geral a incerteza do amanhã.

A nós chegaram-nos também pedidos de ajuda! Pedidos que chegam de quem passa atualmente dificuldades. Pedidos de ajuda esses que não afeta só a população de risco, vêm dos mais novos, aos mais velhos, dos que têm saúde para dar e vender aos mais frágeis e debilitados.
Estas dificuldades não se ultrapassam ou evitam, infelizmente, com etiqueta respiratória, desinfecção das mãos e uso de máscara. Resolvem-se com bens essências, comida!!
Até agora, recebemos pedidos de ajuda de crianças, jovens, adultos e idosos, que começam a aprender uma nova realidade que ninguém deveria aprender - a de restringir alimentos e reduzir refeições.

Recebemos contributos muitos importantes (Obrigada!!), recolhemos, organizamos e distribuímos cabazes com alimentos e outros bens (roupas, produtos de higiene, fraldas, brinquedos). Mas da mesma forma que a pandemia não deu tréguas, as dificuldades também não.

Continuamos a aceitar a doação de bens alimentares para ajudarmos estas famílias.
Agradecemos a todos os que nos ajudaram até aqui, mas este caminho ainda não terminou, ajudar continua a ser necessário.
Se quiserem contribuir, entrem em contacto connosco. Se for necessário nós recolhemos.

Neste momento, as nossas principais necessidades são - arroz, massa, óleo, azeite, conservas e leite....

"Almas Solidárias"
 

Folhinha nº 683 de 21 a 27 de setembro de 2020

Folhinha Interparoquial nº 683 de 21 a 27 de setembro de 2020
Paróquias de:
- Divino Salvador de Nogueiró.
- Santa Eulália de Tenões
- S. Pedro de Este
Intenções das missas e informações das 3 paróquias:


-Quem desejar intenções de missa pode fazê-lo na Inscrição via e-mail, tel. ou no próprio dia, junto da Equipa de Acolhimento..





terça-feira, 15 de setembro de 2020

Folhinha nº 682 de 14 a 20 de setembro de 2020

Folhinha Interparoquial nº 682 de 14 a 20 de setembro de 2020
Paróquias de:
- Divino Salvador de Nogueiró.
- Santa Eulália de Tenões
- S. Pedro de Este
Intenções das missas e informações das 3 paróquias:


-Quem desejar intenções de missa pode fazê-lo na Inscrição via e-mail, tel. ou no próprio dia, junto da Equipa de Acolhimento..





sábado, 12 de setembro de 2020

Um Início Desafiante para o Novo Ano Escutista



Um Início Desafiante para o Novo Ano Escutista

por: Carlos Alberto Lopes Pereira
artigo publicado a 11 de setembro 2020 no jornal diário "Correio do Minho"


O Corpo Nacional de Escutas inicia este mês de setembro o seu ano escutista, coincidente, mais coisa menos coisa, com o ano escolar. Na região de Braga, área territorial correspondente à arquidiocese de Braga, este início vai ser marcado pela eleição dos órgãos regionais, a junta regional de Braga (JRB) e o conselho fiscal e jurisdicional de Braga (CFJRB), para o próximo triénio – 2020/2023. Assim, dia 12 de setembro, entre as 10,00 e as 16,00 horas, 3.824 eleitores (sendo 1.360 jovens caminheiros, dos 18 aos 22 anos, e 2.464dirigentes) serão chamados a elegerem, ou não, estes órgãos regionais.

Também em quatro dos nove núcleos da região serão escrutinadas as respetivas juntas de núcleo (assim se designam os órgãos executivos dos núcleos):

·         Núcleo de Guimarães – que inclui os concelhos de Guimarães e de Vizela;

·         Núcleo do Cego do Maio – que inclui os concelhos da Póvoa de Varzim, Esposende e parte do de Vila do Conde;

·         Núcleo de Vieira do Minho – que inclui os concelhos de Vieira do Minho e parte do de Terras de Bouro;

·         Núcleo de Braga inclui os concelhos de Braga, Amares e parte do de Terras de Bouro.

Desta forma, este fim de semana, cerca de 50% das estruturas intermédias da região de Braga sofrerão esta escolha democrática, tão fundamental para garantir a evolução permanente do movimento, para reagir às novas aspirações e anseios das crianças e jovens do próximo triénio. É a oportunidade para a renovação sempre necessária, mas sem complexos, para a construção de novas abordagens e perspetivas, não perdendo o enfoque no essencial: os lobitos, os exploradores, os pioneiros e os caminheiros - eles são a razão de ser do escutismo!

Aos novos candidatos e aos que vão repetir o mandato, desejamos as maiores felicidades no desempenho das missões que se propõem abraçar, na certeza de que eles já são credores do nosso reconhecimento e, certamente no final do triénio, o CNE terá ainda mais razões para lhes agradecer os resultados obtidos.

Aos dirigentes que terminam estes seus trabalhos, eles partem com a convicção do dever cumprido, de terem, com a sua ação, contribuído para a construção de um mundo melhor, pelo que lhes é merecido o justo agradecimento pelos serviços prestados ao escutismo, ao país e à igreja. Sim, porque ajudar crianças e jovens a crescerem em idade, sabedoria e graça, é permitir que sejam verdadeiros agentes cidadania, solidariamente ativo e agindo à luz da fé que professam.

Aos eleitores – caminheiros e dirigentes – é pedido que façam escolhas sérias e conscientes, que se assumam como verdadeiros exemplos de cidadania e não abdiquem do exercício de votar, pois, no escutismo eles são, cada um à sua maneira, exemplos vivos para os mais novos, e todos sabemos a importância que o “exemplo” tem na educação, em geral, e no escutismo, em particular.

A Junta Regional e o Conselho Fiscal e Jurisdicional Regional, tomarão posse no próximo dia 27 de setembro, na Póvoa de Lanhoso, durante uma das atividades mais marcantes da região de Braga: a Abertura Regional do Ano Escutista.

Lá, nas terras da lendária Maria da Fonte, esperam-se tempos de reação e de mudança. De reação à pandemia que nos oprime os movimentos e a ação, mas também a liberdade do “fazer” e do “ser”, e, tal como este mito vivo da nossa História, mudança porque estas terras também tiveram um papel importante na criação de Portugal, queremos comprometemo-nos numa mudança consciente de luta sem tréguas, mas sem desguarnecer as defesas de cada um e de todos os outros. Claro que também nós sabemos que uma “guerra” não se ganha pelo número dos combatentes que tombam em combate, mas pelo número de soldados que se conservam vivos.

Votos para que sejam soldados de paz e que vivam para que os outros também possam viver cada vez melhor.


Outros artigos neste LINK


terça-feira, 8 de setembro de 2020

Folhinha nº 681 de 7 a 13 de setembro de 2020

Folhinha Interparoquial nº 681 de 7 a 13 de setembro de 2020
Paróquias de:
- Divino Salvador de Nogueiró.
- Santa Eulália de Tenões
- S. Pedro de Este
Intenções das missas e informações das 3 paróquias:


-Quem desejar intenções de missa pode fazê-lo na Inscrição via e-mail, tel. ou no próprio dia, junto da Equipa de Acolhimento..